Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2013

Ouve apenas o meu olhar...

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não se lhe sabe falar.


Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há-de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...


Ah, mas se ela advinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!


Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só inteiramente!


Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...


Fernando Pessoa

 

Queria falar, amor...

Falar contigo...

Dizer tudo o que sinto cá dentro...

Mas sinto muito, por isso calo.

Desculpa...

Ouve apenas o meu olhar!

Publicado por Falcão Sossegado às 01:29

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 20 de Março de 2011

Reserbem tudo, carago...

Bem meus amigos, reserbem mesmo tudo...

Bamos pintar este país de Azul e Branco...

Tudo que seja janela, varanda, rua, praça...

Chegou a nossa vez, de Reserbar...



Publicado por Falcão Sossegado às 03:13

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2011

São Gonçalo de Gaia 2011

Mais um Ano e mais uma Festa em Honra de São Gonçalo!

 

Mais uma vez, e como é habitual no 1º Domingo seguinte ao dia 10 de Janeiro, o São Gonçalo saiu ás ruas de Vila Nova de Gaia.

Bem cedo acordarar os homens, que durante o dia inteiro percorreram as ruas de Santa Marinha e Mafamude e que só á tardinha cumpriram a tradição na greja de Mafamude...

Os grupos etnograficos das Comissões de São Gonçalo da Rasa Antiga e Nova, e o Grupo da Associação Recreativa e Cultural dos " Mareantes do Rio Douro" encontraram-se mais uma vez ás portas da Igreja de Mafamude...

Em primeiro o Silêncio pairava no ar, no momento em que os mordomos dos Santos estavam dentro da Igreja... Mas algo aconteceu, mais uma vez todo o povo pode ver aquela imagem inpunente de uma beleza inorme, ser elevada por um par de braços ás portas desta Igreja... A Alegria tomou conta do povo, a Satisfação a uma só voz, a Emoção pertetuadas, o Delírio então apoderou-se do povo...

Sem mais palavras...

 

E ele é nosso! E é, é, é!

 

Mais sobre esta festa em:


http://falcaosossegado.blogs.sapo.pt/16581.html

 

 

Fotagrafias bastante antigas desta Festa:

 

Mordomo da Cabeça de São Cristovão ( Jorge Panca)


Mordomo da Imagem de São Gonçalo (Romani)

 

 

Uma das mais antigas fotografias que deve existir das várias

expostas da sede dos Mareantes do Rio Douro

 

 

 

 

Comissões de São Gonçalo da Rasa Velha e Nova

 

 



Publicado por Falcão Sossegado às 18:31

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

A Diferença entre o Paraíso e o Inferno

Conta-se que um poeta estava um dia passeando ao crepúsculo em uma floresta, quando, de repente, surgiu diante dele um dos maiores poetas de todos os tempos — Virgílio. O homem tomou o maior susto de sua vida e começou a tremer sem parar. Virgílio disse ao apavorado colega: — 'Tua alma está tomada pela covardia, que tantas vezes pesa sobre os homens, os afastando de nobres empreendimentos, como uma besta assustada pela própria sombra.' Mas, o destino estava sorrindo para ele, explicou Virgílio, pois tinha sido escolhido para conhecer os segredos do Paraíso e do Inferno.

 

Utilizando seus poderes místicos, Virgílio transportou o poeta — ainda apavorado com tão insólita experiência — ao velho e mítico rio de águas pantanosas e cinzentas que circundava o submundo: O 'Rio Aqueronte'. Entraram em uma canoa e Virgílio instruiu o poeta para remar até ao Inferno, já que 'Caronte' não se encontrava por ali. Quando chegaram, o poeta estava algo surpreso por encontrar um lugar semelhante à floresta onde estavam, e não feito de fogo e de enxofre nem infestado de demônios alados e criaturas nojentas exalando fogo, como ele esperava.

 

Virgílio pegou o poeta pela mão e levou-o por um trilho. Logo o poeta sentiu, à medida em que se aproximavam de uma barreira de rochas e arbustos, o cheiro de um delicioso ensopado. Junto com o cheiro, entretanto, vinham misteriosos sons de lamentações e de ranger de dentes. 'Gritos de mágoa, brigas, queixas iradas em diversas línguas formavam um tumulto que tinha o som de uma ventania.' Ao contornarem as rochas, depararam-se com uma cena incomum. Havia uma grande clareira com muitas mesas grandes e redondas. No meio de cada mesa havia uma enorme panela contendo o ensopado cujo cheiro o poeta havia sentido, e cada mesa estava cercada de pessoas definhadas e obviamente famintas. Cada uma segurava uma colher com a qual tentava comer o ensopado. Entretanto, devido ao tamanho da mesa e por serem as colheres muito grandes e com cabos três vezes mais compridos do que os braços das pessoas que as usavam, estas ficavam impedidas de alcançar a panela no centro da mesa. Isto tornava impossível, para qualquer uma daquelas pessoas famintas, de levar a comida à boca. Havia muita luta e imprecações, enquanto cada pessoa tentava desesperadamente pegar pelo menos uma gota do ensopado.

 

O poeta ficou muito abalado com a terrível cena. Fechando os olhos, suplicou a Virgílio que o tirasse dali. Em um momento eles estavam de volta à canoa e Virgílio orientou o poeta como chegar até o Paraíso.

Quando chegaram, o poeta surpreendeu-se novamente ao ver uma cena que não correspondia às suas expectativas. Aquele lugar era quase exatamente igual ao que eles haviam acabado de visitar. Não havia grandes portões de pérolas nem bandos de anjos a cantar. Novamente, Virgílio conduziu-o por um trilho onde um cheiro de comida vinha de trás de uma barreira de rochas e de arbustos. Desta vez, entretanto, eles ouviram cantos e risadas quando se aproximaram. Ao contornarem a barreira, o poeta ficou muito surpreso de encontrar um quadro idêntico ao que eles tinham acabado de deixar: grandes mesas cercadas por pessoas com colheres de cabos desproporcionais e uma grande panela de ensopado no centro de cada mesa.

 

A única e essencial diferença entre aquele grupo de pessoas e o que eles tinham acabado de deixar é que as pessoas deste segundo grupo estavam usando suas colheres para alimentar umas às outras.

 

 

Até Breve

Falcão Sossegado

Publicado por Falcão Sossegado às 23:48

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 10 de Julho de 2010

“A Vaquinha”

Um mestre da sabedoria passeava por uma floresta com seu fiel discípulo, quando avistou ao longe um sítio muito pobre e resolveu fazer uma visita. Durante o percurso, ele falou ao aprendiz sobre a importância das visitas e as oportunidades de aprendizado que temos, também com as pessoas que mal conhecemos.

Chegando ao sítio, constatou a pobreza do lugar, sem calçamento, casa de madeira, os moradores – um casal e três filhos – vestidos com roupas rasgadas e sujas. O mestre se aproximou do senhor, aparentemente o pai daquela família, e lhe perguntou:

“Neste lugar não há sinais de pontos de comércio e de trabalho. Como o senhor e a sua família sobrevivem aqui?”

O senhor calmamente, respondeu:

 

“Meu amigo, nós temos uma vaquinha que nos dá vários litros de leite todos os dias. Uma parte desse produto nós vendemos ou trocamos na cidade vizinha por outros gêneros de alimentos e a outra parte nós produzimos queijo, coalhada, para o nosso consumo. Assim, nós vamos sobrevivendo...”

O sábio agradeceu a informação, contemplou o lugar por alguns momentos, se despediu e foi embora. No meio do caminho, voltou ao seu fiel discípulo e ordenou:

“Aprendiz, pegue a vaquinha, leve ao precipício ali na frente e empurre-a. Jogue-a lá embaixo.”

O Jovem arregalou os olhos espantado e, mesmo sem compreender, cumpriu a ordem. Empurrou a vaquinha morro abaixo e a viu morrer.

Aquela cena ficou marcada na memória daquele jovem durante anos e, um dia ele resolveu largar aquilo tudo, inclusive o mestre, e voltar àquele mesmo lugar para pedir perdão à família e ajudá-los. Quando se aproximou do lugar, viu um sítio bonito, com árvores floridas, carro na garagem, crianças brincando no jardim. Ficou triste, pensando que aquela humilde família tivera que vender o sito para sobreviver, Apertando o passo e chegando lá, perguntou ao caseiro sobre a família que antes morava ali.

Ele respondeu: - “Continua morando aqui.”

Espantado, o jovem entrou na casa, viu que era a mesma família e perguntou, então, ao dono da vaquinha:

“Como é que o senhor está tão bem de vida?”

“Nós tínhamos uma vaquinha que caiu no precipício e morreu. Daí em diante, tivemos que fazer outras coisas, desenvolver habilidades que nem sabíamos que tínhamos. Assim, alcançamos o sucesso que você vê agora...”

 

Reflexão:

Todos nós temos uma vaquinha que nos dá alguma coisa básica para sobrevivência e uma convivência acomodada com rotina. Descubra qual é a sua, e aproveite para empurrar sua vaquinha morro abaixo.

 

Falcão Sossegado

Publicado por Falcão Sossegado às 20:06

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Tribos, o jogo online gratuito

@Tá muito lento...

relojes web gratis

@Eu mesmo...

@Pesquisar neste blog...

 

@Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

@Palavritas Actuais...

@ Ouve apenas o meu olhar.....

@ Reserbem tudo, carago...

@ São Gonçalo de Gaia 2011

@ A Diferença entre o Paraí...

@ “A Vaquinha”

@ Um Escuteiro pode realmen...

@ No planalto da Zambujeira...

@ A minha História Perdida....

@ Marés Vivas 2009...

@ Voar... para me libertar....

@ Busco na simplicidade...

@ No meu sossego...

@ O Galo Angustiado

@ O Lenhador e a Raposa...

@ A BOMBA D'ÁGUA

@ Pato ou Cisne ???

@ Acreditar e Agir...

@ São Gonçalo sai à rua, pa...

@ Feliz Ano Novo de 2009

@ Com vontade de escrever.....

@Há muito Tempo...

@ Fevereiro 2013

@ Março 2011

@ Janeiro 2011

@ Julho 2010

@ Outubro 2009

@ Agosto 2009

@ Julho 2009

@ Abril 2009

@ Março 2009

@ Fevereiro 2009

@ Janeiro 2009

@ Dezembro 2008

@ Novembro 2008

@ Outubro 2008

@ Setembro 2008

@ Agosto 2008

@ Maio 2008

@ Fevereiro 2008

@ Janeiro 2008

@ Dezembro 2007

@ Novembro 2007

@ Outubro 2007

@ Setembro 2007

@Links...

@Navegando na Web...

@ Um Sonho de Menino... Che...

@ Perdi-te e (não) te encon...

@ O Piaçabeiro Mor avança m...

@ Há concerteza milhares de...

@ Escuteiros

@ " ... escuteiro uma vez.....

@Á distância de um simples Clique ...

Falcão Sossegado Leão Manhoso simplesmentehumana Lobitos Exploradores O Azul O Azul O Azul Filmes Diários Filmes, Mp3, Ebooks, Software, jogos e muito mais GRÁTIS no Pirata Tuga! Desbloqueio grátis de telemóveis Nokia

@Subscrever feeds

AddThis Social Bookmark Button
AddThis Feed Button
blogs SAPO
badge
badge